FIGURAS INESQUECÍVEIS DO MUNICÍPIO

Cantídio Drumond

Nascido em Rio José Pedro, atual Ipanema, em 5-8-1867, mudou-se para este município, ainda jovem. Casou-se na tradicional família do Dr. Leonardo José Teixeira da Silva, fundador do Hospital de Nossa Senhora das Dores, com o Vigário João Paulo Maria de Britto, idealizador da Santa Casa, ao lado, atuante, o piedoso farmacêutico José Maria da Silveira. Temperamento político por excelência, aqui ingressou fazendo oposição ao Senador Antônio Martins Ferreira da Silva, cuja ala, extensa, constituiria, poucos anos depois, o poderoso bloco que elegeria Presidente o Major Manoel Olímpio Soares, Agente Executivo - várias legislaturas -, de histórica influência nas atividades político-administrativa de nossa terra e vasta área da Mata Mineira, resultando, em memorável pleito - junho de 1936 -, o Prefeito de Ponte Nova, Dr. Otávio Martins Soares, ambos, Drs. Otávio e Luiz Martins Soares, tios do Dr. Milton Soares Campos, deputado estadual, empós figura também expressiva da Câmara Federal, Senador e Ministro da Justiça do Governo Humberto Castelo Branco.

Cantídio Drumond unir-se-ia a Luiz Martins Soares (Dr. Zito). Participando da eleição de Custódio Silva, notável Agente Executivo, que deixou nobre legado (abertura da avenida macadamizada para Palmeiras, rigorosa probidade administrativa e obras àquele tempo promissoras), viu-se, Cantídio, guindado a Vice-Presidente da Câmara, em 1926, devido a enfermidade do chefe do Governo Municipal. Em 1927, candidato arrimado em elementos prestigiosos de Ponte Nova, elegeu-se Agente Executivo, período 1927-1930. Incorporou-se à Revolução de Outubro - liderança de Antônio Carlos, Artur Bernardes e outros próceres de Minas -, revestida de êxito, através da deposição do Presidente Washingtos Luís, em 24 daquele mês. Confirmou-o no cargo, nomeado Prefeito pelo regime discricionário, sendo Governador de Minas o Dr. Olegário Maciel.

Histórica a presença de Cantídio Drumond no Governo Municipal: rasgou e bem conservou estradas de rodagem, unindo a sede a todos os distritos. Iniciou e concluiu, primorosamente, o calçamento a paralelepípedos das principais ruas da cidade; edifícios modelares dos Grupos Escolares Antônio Martins Lanna e José Mariano, graças ao decidido apoio do Presidente Antônio Carlos Ribeiro de Andrada. Em sua permanência, a Prefeitura instalada no prédio inteiramente remodelado da antiga Companhia Telefônica Aliança Mineira, a expensas do Erário, ali funcionando ( hoje prédio da Associação Comercial) e recebendo o Dr. Odilon Braga, Ministro da Agricultura, ao ensejo do Congresso das Municipalidades da Zona da Mata, quando se fez ouvir o referido titular em momentosa conferência, tema relevante do quadro agrícola no País, ano de 1928. Visita, no mesmo prédio, do Dr. Antônio Carlos, posteriormente convertido em sede do Pontenovense Futebol Clube, quando ali proferiu discurso histórico o Dr. Alexandre José Barbosa Lima Sobrinho, Presidente do Instituto do Açúcar e do Álcool. Ainda no Governo Cantídio Drumond, transferência da Prefeitura para o antigo edifício do Grupo Escolar Antônio Martins, vago, em face de instalado o estabelecimento no edifício da Rua Antônio Carlos. Na significativa fase do Governo Cantídio Drumond, organizado, em bases racionais, mediante catalogação e encadernação definitiva, o Serviço de Estatística do Município, obra importantíssima do então Secretário Alberto Martins, o que lhe valeu convite do famoso Teixeira de Freitas, "Pai da Estatística Brasileira"para membro de destaque do Serviço de Educação do IBGE. Inesquecido o contador e escritor pontenovense, José Eduardo, autor de relatórios, quadros, elementos contábeis inerentes às maiores autoridades no gênero. O edifício histórico do Hotel Glória (1929) deve-se a Cantídio, associado ao empresário Antônio Pinto de Oliveira, dotado, o hotel citado, do primeiro elevador em instalações de Ponte Nova, seguindo-se-lhe o trabalho modelo da Vila Oliveira num dos recantos mais povoados da cidade, animando a construção da Praça de Esportes Juca Fonseca, quando construídos, além do campo de futebol, áreas de basquete, voley, tênis, departamento aquático, inauguração posterior das dependências iluminadas do Clube de que Cantídio Drumond foi primeiro presidente. Articulado, sempre, com o Dr. Zito, Cantídio, prepibando acontecimentos no panorama político do Município, viajou para Belo Horizonte, solicitando, pessoalmente, em hábil histórico documento, renúncia do cargo que dignificara. A rua em que residiu o grande pontenovense de eleição ( antiga Rua do Rosário) recebeu seu nome.

Anibal Lopes, no seu apreciado e acatado JORNAL DO POVO, teceu, desde sua fundação até os últimos dias, referencias históricas à ação Governamental de Cantídio Drumond, reconhecendo-o, apoio incondicional de seus conterrâneos, benfeitor do Município que ele soube honrar, o mesmo se verificando através da manifestação de seus colaboradores, a exemplo "O ELOGIO DE UM LÍDER", subscrito por um dos familiares do inesquecível ANIBAL LOPES.